Verde. Só que de raiva…

864 0

Márcio Trevisan – Além da falta quase absoluta de combustíveis, aliás responsável pelos apenas pouco mais de 25 mil torcedores na Arena Palestra Itália, o palmeirense teve vários outros motivos para se irritar neste fim de semana.

A começar, claro, pela derrota para o Sport do Recife/PE, seguida pelo incrível gol perdido por Dudu praticamente dentro da pequena área, já no fim do jogo; a falha de Jaílson ao sofrer o terceiro gol; os erros cometidos por Diego Barbosa no gols 1 e 3 do time pernambucano; a injustificável falta de vontade de Lucas Lima; a ausência de Willian Bigode; o pênalti pra lá de mal batido por Keno, já nos acréscimos. E por aí vai.

Mas, com certeza, nada disso irritou mais o torcedor do Verdão do que verificar que o seu time continua cometendo a mesma falha desde o começo desta temporada: basta ter pela frente uma equipe mais fraca que seus jogadores passam a ter a certeza de que podem ganhar o jogo quando bem entenderem.

E para que você, prezado leitor, não diga que esta é apenas uma opinião deste jornalista, vamos à prova: o Palmeiras perdeu seis jogos em 2018, e todos eles para times indiscutivelmente com menor qualidade de elenco: Corinthians/SP (e por três vezes!), Santos/SP, São Caetano/SP e, agora, Sport do Recife/PE.

Já diante de oponentes de qualidade técnica um pouco superior em relação aos demais adversários, como Boca Juniors/ARG, Atlético/PR e Internacional/RS, conseguiu bons ou, até mesmo, excelentes resultados. Por quê? Porque seus atletas sabiam que a partida seria difícil e, por isso, jogaram com seriedade o tempo todo.

Ao contrário do que afirmam alguns de seus torcedores, o que tem faltado ao Palmeiras não é seriedade, não é empenho, não é raça, não é companheirismo dentro de campo e, talvez, nem mesmo reforços, embora seja unânime a certeza da necessidade da contratação de um zagueiro de ponta. O que tem faltado ao Palmeiras é humildade. E, sem ela, não há um único time do mundo que consiga atingir seus objetivos sem uma gigantesca dose de sofrimento (vide, apenas como exemplo, o badalado Real Madrid/ESP, que precisou de duas ridículas falhas de um goleiro para superar o apenas esforçado Liverpool/ING e faturar mais um título europeu).

E é neste ponto que entra Róger Machado. O treinador alviverde, mesmo diante de suas conhecidas limitações, não é apenas um curioso da bola e nem um professor Pardal. Trata-se, ao meu ver, de um bom comandante, que no entanto não tem conseguido fazer seus comandados entenderem que a maior prova de respeito a um adversário é querer vencê-lo desde o começo do jogo. E esta lição terá de ser, o quanto antes, aprendida pelos seus homens, sob pena de os palmeirenses verem escapar vitórias, classificações e títulos (como o do Paulistão deste ano) principalmente porque a soberba se sobrepôs à humildade.

Até porque, como diz o antiquíssimo ditado, errar é humano. Mas insistir sempre no mesmo erro todo mundo sabe o que é.

Curtinhas

Chorões – Não foi só o goleiro alemão Loris Karius que chorou após errar feio na decisão da Champions League e levar sua equipe, o Liverpool/ING, à perda do título. O jovem lateral-direito Mantuan, do Corinthians, de apenas 20 anos, também saiu aos prantos do Beira Rio depois de errar uma saída de bola e, já nos acrescimentos, dar de presente ao Internacional/RS a vitória por 2 a 1.

Tomando jeito – O São Paulo (quem diria?) parece que começa a reencontrar o caminho das vitórias. Após ser eliminado no Campeonato Paulista e na Copa do Brasil, o Tricolor conseguiu avançar na Copa Sul-Americana e segue sendo o único invicto do Campeonato Brasileiro – aliás, ocupa após a 7ª rodada a quarta colocação, com 13 pontos, e está a apenas um ponto do líder isolado, o Flamengo/RJ.

Balança. Será que cai? – Mais um jogo, mais uma derrota. Se continuar assim, o técnico Jair Ventura não terá vida muito longa no comando do Santos. Desta vez, a derrota foi em pleno Pacaembu, para o Cruzeiro e por 1 a 0. O vice-presidente de futebol do clube, Orlando Rollo, garantiu que manterá o filho de Jairzinho, o Furacão da Copa 70, no cargo, mas a verdade é que, embora com uma partida a menos, o Peixe já é o primeiro clube fora da ZR4.

Rodada mantida. Por enquanto… – Faltou muito pouco para que a CBF adiasse a rodada deste fim de semana do Brasileirão devido à greve dos caminhoneiros, que dentre outros problemas resulta no quase total desabastecimento de combustíveis, inclusive de aviões, em todo o País. Mas, caso o problema não dê sinais de que começa a ser resolvido nestas segunda e terça, os jogos do meio de semana poderão, sim, ser remarcados para após a Copa do Mundo.

 

* Márcio Trevisan é jornalista esportivo há 29 anos. Começou no extinto jornal A Gazeta Esportiva, onde esteve por 12 anos. Passou, também, pelas assessorias de Imprensa da SE Palmeiras e do SAFESP, além de outros órgãos. Há 11 anos iniciou suas atividades como Apresentador, Mestre de Cerimônias e Celebrante, tendo mais de 390 eventos em seu currículo. Hoje, mantém os sites www.senhorpalmeiras.com.br e www.marciotrevisan.com.br. Contato com o colunista pelo e-mail trevisan.marcio1968@uol.com.br

 

 

Total 1 Votes
0

Tell us how can we improve this post?

+ = Verify Human or Spambot ?

Nenhum comentário on "Verde. Só que de raiva…"

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *