Uma em cada 10 mulheres sofre com incontinência urinária

524 0

Da Redação – Uma em cada dez mulheres que passam em consulta com os ginecologistas nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs) de São Bernardo apresentam a mesma queixa: incontinência urinária. O problema, que constrange as pacientes e transforma suas rotinas, tem solução. O Centro de Atenção Integral à Saúde da Mulher (Caism) oferece tratamento de ponta, seguindo os protocolos de primeira linha adotados por serviços de referência no País e no Exterior.

O atendimento é feito pelo Ambulatório de Uroginecologia, subespecialidade da ginecologia que cuida dos distúrbios da função pélvica feminina (vagina, útero, reto e região perineal). Responsável pelo serviço, o médico Emerson de Oliveira afirma que a perda involuntária de urina é mais frequente entre as pacientes da terceira idade, no período pós-menopausa. A maioria delas teve grande número de partos vaginais e apresenta sobrepeso ou obesidade, sendo estes os principais fatores de risco.

“É uma doença crônica, que começa com sintomas leves. A maioria, no entanto, despreza esses sinais por acreditar que é um problema que faz parte do envelhecimento. É um erro. Trata-se de uma disfunção importante, que prejudica muito a qualidade de vida dessas mulheres, o convívio social, as atividades diárias e o relacionamento com seus parceiros. Quanto antes iniciarmos o tratamento, maiores são as chances de sucesso”, esclarece Oliveira, que também é professor da Faculdade de Medicina do ABC (FMABC).

O especialista explica que há dois tipos de incontinência urinária, de esforço e de urgência. A primeira ocorre quando há liberação involuntária de líquido ao tossir, espirrar, rir e carregar peso. É o tipo mais comum, e afeta entre 60% e 70% das mulheres com esse tipo de disfunção. Já a incontinência de urgência ocorre por conta da hiperatividade de bexiga, e nesses casos há uma frequente, imperiosa e incontrolável necessidade súbita de urinar.

“Ir ao banheiro até sete vezes durante o dia está dentro dos padrões considerados normais. Pacientes com a incontinência urinária de urgência ultrapassam esse número e também se levantam diversas vezes à noite. Se isso ocorrer, é hora de procurar o médico e relatar o ocorrido”, alerta Oliveira.

Para diagnosticar a incontinência urinária, os médicos do ambulatório do Caism consideram os sintomas relatados e também realizam o estudo urodinâmico, exame que observa o funcionamento da bexiga. A partir daí, inicia-se o tratamento, que em 80% dos casos é cirúrgico. Mas a fisioterapia urinária é indicada para todas as mulheres com o problema.

“Em situações onde a incontinência urinária é detectada no início, é possível revertê-la apenas com a fisioterapia, que também é fundamental para as mulheres que já realizaram a cirurgia. São exercícios que a paciente aprende com a nossa equipe, executam durante um período sob a nossa supervisão, e depois podem repetir em suas casas. Em alguns casos, combinamos a fisioterapia com o uso de medicação por via oral, adquirida pela Prefeitura e fornecida gratuitamente pelo Caism”, sustenta Oliveira. Este medicamento específico está presente em poucos serviços de uroginecologia no País, comenta o coordenador do Caism, Rodolfo Strufaldi.

A aposentada Maria Ventura de Siqueira, 77 anos, é uma das pacientes atendidas pelo Ambulatório de Uroginecologia, que em 2015 realizou 2.254 consultas em mulheres encaminhadas pelas 34 UBSs da cidade. “Há 20 anos fiz uma cirurgia para corrigir, mas agora voltou a me incomodar. Não vejo a hora de me livrar disso”, conta.

A dona de casa Amarilis Vieira, 72 anos, diz que não se lembra mais da última vez em que teve uma noite tranquila de sono. “Quem tem esse problema vive em estado de alerta. Gosto muito de sair para passear, ando para cima e para baixo, caminho bastante. Mas tenho sempre que ficar de olho”, relata ela, que em breve passará por cirurgia.

Total 0 Votes
0

Tell us how can we improve this post?

+ = Verify Human or Spambot ?

Nenhum comentário on "Uma em cada 10 mulheres sofre com incontinência urinária"

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *