Sesc Ipiranga recebe solo de dança sobre lenda urbana do Recife

409 0

Da Redação – No dia 7/3 o Sesc Ipiranga recebe como parte da “MITbr – Plataforma Brasil” – eixo de espetáculos dentro da Mostra Internacional de Teatro de São Paulo 2018 -, o solo de dança “A Emparedada da Rua Nova”.

O espetáculo, que conta com duas sessões no mesmo dia – uma às 20h e outra às 22h -, é baseado na obra homônima do pernambucano Carneiro Vilela, e conta a história da assombração que ronda o velho Recife até os dias atuais.

O solo – “A Emparedada da Rua Nova” é um espetáculo de dança levada à cena pela intérprete e coreógrafa Eliana de Santana, que faz referência à obra literária homônima do escritor pernambucano Carneiro Vilela (1846-1913). O livro relata o caso de uma jovem que é emparedada viva em seu próprio quarto, a mando do pai, para preservar a honra e encobrir a vergonha familiar.

Embora este romance retrate com vivacidade os costumes da sociedade recifense do final do século XIX, é o seu desfecho macabro, o relato do emparedamento, que ajuda a criar esta lenda urbana. Acredita-se ainda hoje que essa história realmente pode ter acontecido. Fala-se da presença da morta, contam-se histórias sobre ruídos estranhos e gemidos na casa da rua Nova, a assombração da Emparedada ainda ronda o velho Recife.

Estes rumores, essas histórias contadas entre as gerações, inspiram a construção deste trabalho: violências, lembranças, aparições, presenças momentâneas, espectros, fantasmas. A possibilidade de um corpo além, um corpo “fluidificado”. Uma investigação, no corpo e na cena, sobre a condição feminina, sobre o tema da morte, do amor e do sobrenatural.

Sinopse – No solo de dança “A Emparedada da Rua Nova”, Eliana de Santana se inspira no ambiente de mistério que envolve a obra de Carneiro Vilela e a imaginação popular. Velas iluminam todo o espaço, há um corpo e uma parede, um corpo murado. Ao entrar no espaço a plateia recebe um copo de água, é convidada a beber a morta. A personagem emparedada dança. Uma música fala de amor. Silêncio. A personagem ainda dança. Outra voz canta o amor. Há uma aparição e depois um fim. Apagam-se as velas.

A MITbr – Plataforma Brasil inaugura um novo eixo fundamental na Mostra Internacional de Teatro de São Paulo – MITsp 2018. Programa de internacionalização das artes cênicas brasileiras, a ação acontece, nessa edição, como um projeto piloto, visando promover um conjunto de onze produções contemporâneas nacionais que foram destaque entre 2017 e início de 2018. Com curadoria de três experts da área – Welington Andrade, Christine Greiner e Felipe Assis – os espetáculos selecionados serão convidados para se apresentarem na quinta edição da MITsp para programadores de festivais nacionais e internacionais. A iniciativa representa um passo importante para a expansão do reconhecimento do teatro brasileiro no cenário internacional, fomentando sua circulação e visibilidade.

Ficha técnica

Direção Geral e interpretação: Eliana de Santana

Performer convidado, criação de luz e espaço cênico: Hernandes de Oliveira

Trilha sonora e Figurinos: Eliana de Santana e Hernandes de Oliveira

Operação de luz e som: Rodrigo Eloi Leão

Produção: E² Cia de Teatro e Dança

Duração: 40 minutos

Faixa etária: 14 anos

Serviço – A Emparedada da Rua Nova, nesta quarta-feira (7), às 20h e às 21h, no Teatro (200 lugares). Quanto: R$ 30,00 / R$ 15,00 (meia) / R$ 15,00 (credencial plena). Sesc Ipiranga – Rua Bom Pastor, 822

Total 0 Votes
0

Tell us how can we improve this post?

+ = Verify Human or Spambot ?

Nenhum comentário on "Sesc Ipiranga recebe solo de dança sobre lenda urbana do Recife"

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *