Romi-Isetta, primeiro carro fabricado no Brasil, era charmoso e fez sucesso entre os jovens

772 0

A cada dia que vivo mais me convenço de que o desperdício de vida está no amor que não damos.       

Carlos Drummond de Andrade

Romi-Isetta_Fundação Romi

* Hildebrando Pafundi – Quem não se lembra da Romi-Isetta, o primeiro carro fabricado no Brasil há 60 anos? Produzido de 1956 a 1961 no interior paulista, o charmoso carrinho de dois lugares e uma porta só é hoje item de colecionador e chega a custar R$ 100 mil. O Romi-Isetta tem 84 exemplares registrados no Estado de São Paulo. Há 60 anos, o primeiro veículo saía da linha de montagem em uma fábrica no interior paulista.

O Romi-Isetta, versão do italiano Isetta, não era mesmo um carro comum: era pequenino, mais barato que os demais e tinha dois lugares e uma porta só. O primeiro ficou pronto em 30 de junho de 1956 nas Indústrias Romi, em Santa Bárbara D’Oeste. Mas o lançamento ocorreu um pouco depois, em 5 de setembro, quando um desfile de 16 deles rodou pelo centro da capital paulista, segundo dados da Fundação Romi. O último produzido deixou a empresa em 1º de dezembro de 1961.

O carrinho é hoje item de colecionador. Em anúncios em entidades especializadas ou sites de revenda, é possível encontrar exemplares à venda, alguns tão bem restaurados que parecem novos. O preço pode chegar a mais ou menos R$ 100 mil. Na foto, em destaque, os atores Eva Wilma e John Herbert em fotos promocionais do Romi-Isetta / Foto: Fundação Romi

  • Obras de Picasso no Instituto Tomie Ohtake – Foi inaugurada com obras de Pablo Picasso, sendo muitas de seu acervo particular e inéditas no Brasil, que atualmente pertencem ao Museu Nacional Picasso, em Paris, grande exposição no Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo e pode ser visitada até de 14 de Agosto. Depois do Instituto, a exposição segue para o Paço Imperial, no Rio de Janeiro, que será inaugurada em Setembro. O artista plástico espanhol Pablo Picasso, que nasceu em 1881 e faleceu em 1973, mesmo sendo mais conhecido como cubista, tinha seu próprio estilo com diferentes técnicas e fez os primeiros desenhos quando estava com apenas 14 anos. Para essa exposição, com curadoria de Emilia Philippot, foram selecionadas 153 peças com a trajetória cronológica e temática do artista e suas principais fases, sendo 116 de sua autoria: 20 esculturas, 20 gravuras, 34 pinturas e 42 desenhos. Há também 22 fotogramas de André Villers, produzidos em parceria com Pablo Picasso. As outras são 12 fotografias feitas por Dora Maar, e três pelo fotógrafo Pierre Manciet, além de filmes sobre as obras de Picasso, seu processo de trabalho e criação. A exposição, denominada “Picasso: Mão Erudita, Olho Selvagem” foi dividida em 10 seções: Formação e influência, Picasso o exorcista (processo e geometrização de formas), o cubista, o clássico (a maternidade, o teatro e a dança), o surrealista, o processo de criação de Guernica (estudo da obra, fotos e o foco), o resistente, o múltiplo (da cerâmica ao fotograma), ele trabalhando e sua última fase, que mostra o erotismo em todos os seus estados. Visitas até dia 14 de Agosto de 2016, de terça-feira a domingo das 11h às 20 horas. As entradas custam R$ 12,00, meia, R$ 6,00, mas nas terças-feiras, as visitas são grátis e crianças até 10 anos não pagam em nenhum dos dias. Os ingressos estão à venda pelo site www.institutotomieohtake.org.br ou na bilheteria do Instituto de terça-feira a domingo das 10h às 19 horas. Endereço: Avenida Faria Lima, 201, com entrada pela Rua Coropés, 88 – São Paulo – Capital, SP.
  • Criação de Macunaíma – A exposição em homenagem aos 90 anos da criação do romance Macunaíma, do escritor Mário de Andrade, poderá ser visitada até dia 20 de Julho. Essa mostra reúne fac-símiles dos originais do romance, que pertencem ao Instituto de Estudos Brasileiros (IEB) da Universidade São Paulo (USP); o exemplar da edição original autografada do livro Macunaíma, de Mário de Andrade, do acervo da Casa Guilherme de Almeida, entre outros objetos do escritor. Visitas: de terça-feira a sábado, das 10h às 18h, até o dia 20 de Julho de 2016, na Oficina Cultural Casa Mário de Andrade (Rua Lopes Chaves, em São Paulo). Mais informações pelo site www.oficinasculturais.org.br
  • Tiro de Guerra de São Caetano comemora 65 anos Para comemorar os 65 anos de história do Tiro de Guerra de São Caetano, foi montada uma exposição reunindo cerca de 85 imagens, mostrando diferentes personagens, eventos, fatos, fotos e aspectos cotidianos dessa instituição militar da cidade, no Salão de Exposição da Fundação Pró-Memória, no bairro Vila São José, onde permanecerá até dia 3 de Julho. Visitas de terça-feira a sábado, das 8h às 17h, e aos domingos das 9h às 16h, até dia 3 de Julho de 2016. Endereço: Avenida Fernando Simonsen, 566, São José, São Caetano – SP. Mais informações pelo telefone (11) 4223-4780.
  • Bienal Internacional do Livro de São Paulo – Já tiveram inicio os preparativos para a 24ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo, que será realizada entre os dias 26 de Agosto e 4 de Setembro, no Pavilhão de Exposições do Parque Anhembi, na Avenida Olavo Fontoura, 1209, na Capital. O evento reunirá escritores brasileiros e de outras nacionalidades, editoras nacionais e internacionais, com lançamentos de livros, tardes de autógrafos, palestras e debates. Os ingressos, que custam entre R$ 20,00 a R$ 25,00 já estão à venda pelo site www.bienaldolivrosp.com.br que na compra de três ingressos ou mais terá descontos. Já participei de algumas Bienais do Livro de São Paulo, a partir de 2004, geralmente no espaço para associados da União Brasileira de Escritores (UBE), quando aproveitava para fazer lançamentos de livros de minha autoria, fazer trocas, conversar e entrevistar alguns escritores, como o cronista e romancista Ignácio de Loyola Brandão, e o também autor de novelas para televisão e romancista, Walcir Carrasco, entre outros. A deste ano talvez não participe, porque não tenho nenhum livro recente para ser lançado, mas talvez faça uma ou duas visitas para adquirir alguns livros, o que também recomendo aos amigos, amigas e leitores.
  • Pós–impressionismo – – Foi inaugurada no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), em São Paulo, a exposição “O triunfo da cor: O pós–impressionismo”, com 75 obras de 32 artistas, dentre os quais se destacam Van Gogh e Cézane, que pode ser visitada até o dia 7 de julho, mas é necessário agendar pelo site HTTP://culturabancodobrasil.com.br/potal/o-triunfo-da-cor Visitas: de quarta-feira a sábado, das 9h às 21h até 7 de Julho. Contatos pelo telefone (11) 3113-3651. Endereço: Rua Álvares Penteado, 112, Centro, São Paulo – SP.
  • Manhã Literária – Neste sábado (2 de julho), às 10h, acontece mais uma edição da Manhã Literária com escritores da Academia Popular de Letras (APL), que receberá na Biblioteca Paul Harris vários autores do Grande ABC, estando confirmados: – Marcos Torres – (Poesia Metafísica); – Claudio Feldman – (O Boi No Shopping (infantil) e Cerca Viva (haicais)); – Osmar Zumpano – (Momentos: Miscelânea Literária); – Silvia Maria Rocha – (Tantas Marias); – Cida e Sérgio Simka – (O Acordo Ortográfico Da Língua Portuguesa e O Enigma Da Velha Casa); – Altino Dias – (Contabilidade Não É Um Bicho De Sete Cabeças); – Rinaldo De Santis – (A Cura Definitiva Da Depressão); – Mônica Pinheiro – (Brinquedo Cantado); – Gesiel De Oliveira – (Festa Na Floresta); – Alcidéa Miguel – (O Artista É Você (paradidático)); – Jorge Lorente – (Fala Senhor… Que Teu Servo Escuta!); – Aristides Theodoro – (América Latina, Por Favor, Um Minuto De Silêncio: Morreu Carlos Fuentes! e Os Que Não Leram Os Sertões Fizeram Do Mesmo Um Livro Difícil) e – Lucas Scheleger – (A Fronteira). Para inscrições de autores interessados em participar: bibliotecaph@gmail.com. Até a próxima!
    pafundi * Hildebrando Pafundi é escritor, jornalista, contista e cronista. Membro da Academia de Letras da Grande São Paulo, da União Brasileira de Escritores (UBE-SP) e outras entidades. Tem quatro livros publicados. Contatos com o autor e colunista pelo e-mail hpafundi@ig.com.br
*
Total 0 Votes
0

Tell us how can we improve this post?

+ = Verify Human or Spambot ?

Nenhum comentário on "Romi-Isetta, primeiro carro fabricado no Brasil, era charmoso e fez sucesso entre os jovens"

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *