Pesquisa Ipsos aponta Brasil e Alemanha como favoritos neste Mundial

122 0

Da Redação – Campeã na última Copa, a Alemanha é a seleção mais cotada para estar na final do mundial de 2018 na Rússia, com 23% da preferência global. Depois do histórico 7 x 1, o Brasil ainda permanece como o segundo favorito, com 21%. Entre os mais cotados para disputar o título, também aparecem Espanha (11%), Argentina (8%), França (4%), Portugal (3%), Inglaterra (3%) e Rússia (2%).

É o que revela a pesquisa Global Advisor, da Ipsos, que entrevistou 19,7 mil pessoas em 27 países, incluindo o Brasil, entre os dias 20 de abril e 6 de maio para saber quais as expectativas do mundo em relação ao evento. A margem de erro para o Brasil é de 3,2 pontos percentuais.

“Este resultado revela como o amplo favoritismo que o Brasil tinha na Copa de 2014 (39% acreditavam que o Brasil iria a final) foi abalado depois da partida contra a Alemanha”, afirma Alan Liberman, presidente da Ipsos Connect na América Latina. Seis em cada dez entrevistados (62%) tinha conhecimento sobre o campeonato. Anfitriã do grande evento, a Rússia é o país onde menos entrevistados se declaram fãs ou apaixonados por futebol. Apenas 9%, menos da metade da média global (21%). Mais de um terço dos russos (36%) não acompanha futebol e não deve assistir a nenhum jogo.

“De forma geral, fazer uma Copa do Mundo onde o dono da casa tem pouco interesse resulta em um menor engajamento. Na Copa de 2014 no Brasil, 8 em cada 10 (78%) entrevistados tinham conhecimento sobre o campeonato”, lembra Liberman. Para acompanhar a Copa, um quarto dos entrevistados no mundo (24%) deve faltar ao trabalho ou deixar a escola de lado. No Brasil, o índice ficou um pouco acima da média global: 29%. A maioria da população mundial vai ver o campeonato pela televisão (62%), enquanto 25% pretende acompanhar os jogos pela internet e 13% no celular. No Brasil, sete em cada dez brasileiros (72%) vão torcer na frente da TV, 22% pela web e 12% no celular.

Oito em cada dez dos entrevistados no mundo (84%) vão ver os jogos da Copa com os amigos ou família. O Brasil está em linha com a média global, com 85%. Os colegas de trabalho são a segunda companhia mais citada para acompanhar as partidas. É a opção de quase metade dos entrevistados (49%) no mundo e de 45% dos brasileiros.

Os restaurantes e bares devem ficar mais lotados durante o mundial, porque metade dos entrevistados no mundo (48%) devem procurar esses estabelecimentos para assistir aos jogos. Entre os brasileiros, o índice é um pouco menor: 42%. “A televisão continua mantendo a mesma força de quatro anos atrás, com os mesmos 62% de preferência para assistir aos jogos. A maior mudança ocorre no celular que tinha apenas 6% das preferências para acompanhar os jogos versus 13% em 2018”, ressalta Liberman.

Sucesso? Boicote? Corrupção? – A Rússia terá sucesso como anfitriã da Copa para 73% dos entrevistados no mundo. Apenas na Polônia (45%) e Grã-Bretanha (41%), o percentual dos que acreditam não na capacidade dos russos de receber o grande evento não é a maioria da população. Para cerca de sete em cada dez entrevistados globalmente, a Copa da Rússia será segura para os turistas. Só na Grã-Bretanha, a maioria está pessimista – o percentual de concordância é de 34%. Pouco mais da metade dos entrevistados (56%) acredita que a imagem da Rússia melhora por receber a Copa. Entre os próprios russos, o dado é de 61% e, no Brasil, de 58%.

A organização da Copa do Mundo ficou livre da corrupção para quase metade da população mundial (46%). Entre os brasileiros, são 50% os que acreditam que não houve corrupção na preparação do evento. Os que menos acreditam nisso são os britânicos (20%), belgas (28%), franceses e japoneses (ambos com 29%).

A maioria dos entrevistados no mundo (60%) acredita que a Fifa faz o melhor para os interesses do futebol e de seus espectadores. Entre os brasileiros, esse dado cai para 50%. Os que menos concordam com essa afirmação são os britânicos, com 32%, e os chilenos, com 41%. Globalmente, a ideia de boicotar o evento não tem forte adesão. Cerca de três em cada dez entrevistados (28%) defenderam que os times de seus países não participassem do evento.

Sobre a Ipsos – A Ipsos é uma empresa independente global na área de pesquisa de mercado presente em 89 países. A companhia tem mais de 5 mil clientes e ocupa a terceira posição na indústria de pesquisa. Maior empresa de pesquisa eleitoral do mundo, a Ipsos atua ainda nas áreas de publicidade, fidelização de clientes, marketing, mídia, opinião pública e coleta de dados. Os pesquisadores da Ipsos avaliam o potencial do mercado e interpretam as tendências. Desenvolvem e constroem marcas, ajudam os clientes a construírem relacionamento de longo prazo com seus parceiros, testam publicidade e analisam audiência, medem a opinião pública ao redor do mundo. Para mais informações, acesse: Ipsos Brasil – New, Fresh & Digital https://youtu.be/AWD_nwkXrpM; Ipsos Brasil – Diferenciais https://youtu.be/gSWOO5KunKI e Ipsos Brasil – Curiosidade https://youtu.be/eEm9dve420s.

Total 0 Votes
0

Tell us how can we improve this post?

+ = Verify Human or Spambot ?

Nenhum comentário on "Pesquisa Ipsos aponta Brasil e Alemanha como favoritos neste Mundial"

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *