Pesquisa aponta que preço da refeição em Santo André é o mais caro da RMSP

617 0

Da Redação – Segundo dados da Pesquisa ASSERT Preço Médio da Refeição, elaborada pelo Instituto Datafolha em novembro de 2016, o trabalhador de Santo André é o que mais gasta para se alimentar fora de casa na região metropolitana: R$ 35,01.  Este valor, que corresponde a uma refeição composta por prato principal, bebida não alcoólica, sobremesa e café, equivale a um aumento de 31% em relação ao ano anterior.

A cidade é a mais cara entre as nove da Grande São Paulo que participaram da pesquisa, inclusive ficou à frente de São Paulo, capital, que tem um preço médio de R$ 33,82 para a refeição completa.

Com base no preço médio de R$ 35,01 em Santo André, um trabalhador que na data da realização da pesquisa (novembro de 2016) recebia apenas um salário mínimo nacional (R$ 880), e não tinha o benefício do voucher-refeição, desembolsava mais de 87% de seu salário para se alimentar fora de casa durante sua jornada de trabalho, considerando 22 dias úteis, de segunda à sexta-feira.

Confira abaixo os preços por cidade da Região Metropolitana de São Paulo.

Cidade Preço
Santo André R$ 35,01
São Paulo R$ 33,82
São Caetano do Sul R$ 31,73
Barueri R$ 30,94
Osasco R$ 29,67
São Bernardo do Campo R$ 29,26
Guarulhos R$ 28,67
Taboão da Serra R$ 28, 16
Diadema R$ 27,23

Diante desse cenário de preços, o sistema de voucher-refeição tem um impacto positivo real na vida dos brasileiros e até mesmo na economia. O benefício é viabilizado no País por meio do Programa de Alimentação do Trabalhador (PAT), do Ministério do Trabalho, que busca a complementação alimentar do trabalhador com o compartilhamento de responsabilidades entre o Governo e empresas. O PAT é considerado referência mundial e beneficia, atualmente, mais de 20 milhões de trabalhadores, sendo que 85% destes ganham até cinco salários mínimos.

Segundo Paula Cavagnari, diretora-presidente da ASSERT, a pesquisa é mais um serviço que a associação presta à sociedade e ao governo, pois além de apresentar o cenário dos preços das refeições fora do lar, o levantamento tem por objetivo verificar a percepção dos proprietários dos estabelecimentos comerciais em relação ao aumento da demanda por uma alimentação saudável.  “De acordo com o estudo, aproximadamente cincos em cada dez responsável pelos estabelecimentos acreditam que os clientes estão mais preocupados com uma alimentação saudável, ou seja, com uma dieta equilibrada, com o consumo de verduras, legumes, grãos, proteínas, frutas e sucos naturais”, comenta Paula.

METODOLOGIA – A ASSERT (Associação das Empresas de Refeição e Alimentação Convênio para o Trabalhador) realiza esta pesquisa desde 2003. Em 2014, o estudo passou a ser realizado pelo Instituto Datafolha. De 11 a 28 de novembro de 2016, o Datafolha visitou 4.574 estabelecimentos comerciais no Brasil que oferecem refeição no prato e em mesa, de segunda à sexta-feira, e aceitam pelo menos uma bandeira de voucher-refeição.

Nesta edição, participaram 51 cidades brasileiras, sendo 23 capitais, nas cinco regiões geográficas do País. As entrevistas resultaram no levantamento de 5.545 preços, aos quais foi aplicada uma média ponderada considerando os pesos na amostra do município e de cada sistema de refeição: comercial, autosserviço, executivo e à la carte.

PROGRAMA DE ALIMENTAÇÃO DO TRABALHADOR (PAT) – O Programa de Alimentação do Trabalhador (PAT), instituído pelo Governo Federal, em 1976, é o mais duradouro programa socioeconômico do Brasil e um dos mais bem-sucedidos do mundo.  Considerado referência mundial pela Organização Internacional do Trabalho, beneficia mais de 20 milhões de trabalhadores, sendo que 85% destes ganham até cinco salários mínimos, o que representa um incremento real no rendimento mensal da força de trabalho.

Cerca de 250.000 empresas em todo o Brasil fazem parte da rede de afiliados organizada e controlada por operadoras do sistema de vouchers: refeição, destinado à compra de refeições prontas em restaurantes e similares; alimentação, para aquisição de gêneros alimentícios “in natura” em supermercados e similares.

ASSERT – Com 35 anos de atuação no mercado de voucher alimentação e refeição e 17 associadas, a ASSERT – Associação das Empresas de Refeição e Alimentação Convênio para o Trabalhador representa cerca de 90% do mercado de vouchers refeição e alimentação, que atende mais de 11 milhões de trabalhadores em mais de 5 mil municípios brasileiros. A entidade, em um esforço conjunto entre o Governo Federal e iniciativa privada, exerce importante papel social ao promover uma alimentação adequada ao trabalhador brasileiro por meio do Programa de Alimentação do Trabalhador (PAT).

De forma pioneira a ASSERT criou o programa Prato Legal, que tem por objetivo orientar os estabelecimentos comerciais credenciados às associadas a oferecerem uma alimentação equilibrada e de acordo com as exigências estabelecidas pelo PAT. No site (www.pratolegal.com.br) os restaurantes encontram informações sobre dieta saudável, dicas de cardápio e orientação de nutricionistas.

Paula ainda destaca: “A iniciativa faz parte da estratégia da ASSERT de atuar a favor dos preceitos do Programa de Alimentação do Trabalhador (PAT), ou seja, incentivar a adoção de uma dieta nutritiva e equilibrada pelo trabalhador, oferecendo ao mercado dados que possam balizar as tomadas de decisões por parte das empresas que compõem o sistema de voucher-refeição”.

Total 1 Votes
0

Tell us how can we improve this post?

+ = Verify Human or Spambot ?

Nenhum comentário on "Pesquisa aponta que preço da refeição em Santo André é o mais caro da RMSP"

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *