Machismo e desinformação são barreiras para detecção do câncer de testículo

112 0

Abril Lilás alerta para conscientização sobre tumor maligno que afeta majoritariamente homens jovens, com menos de 50 anos; Especialista explica causas e como identificar sinais da doença

Da Redação – No calendário da saúde, o mês de Abril recebe a cor Lilás, sendo voltado à conscientização de um tumor que afeta homens jovens, na grande maioria: o câncer de testículo.

Responsável por cerca de 5% do total de casos de tumores malignos na população masculina, de acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), essa neoplasia afeta de forma mais frequente homens com idades entre 15 e 50 anos.

Nessa fase, segundo dados do Ministério da Saúde, existe chance de o tumor ser confundido, ou até mesmo mascarado, por um processo inflamatório ou infeccioso envolvendo o testículo. O número de mortes pela doença chega a 446 pessoas por ano no Brasil, muitas vezes devido à detecção tardia, já em estágios mais graves.

“Os sintomas mais comuns são aumento do testículo e/ou dor. É muito comum que os homens o descubram no banho, durante a higiene, por isso o autoexame da área é a melhor forma de garantir uma possível detecção precoce de qualquer alteração”, comenta Andrey Soares, oncologista do CPO Oncoclínicas.

Ainda de acordo com o especialista, o tumor testicular é mais comum em indivíduos que sofreram traumatismos na região, o que aumenta o risco de incidência entre atletas. Crianças que tiveram criptorquidia, disfunção congênita em que o testículo nasce dentro do corpo, ou seja, fora de posição normal, também estão entre o grupo que tem maior chance de desenvolver a doença e devem ficar atentos a qualquer alteração no testículo.

Entre os sinais mais comuns da doença, está o aparecimento de um nódulo duro, que na maioria das vezes não provoca dor. Pode ser ainda observado em alguns casos uma mudança no tamanho do testículo (aumento ou diminuição), sensação de um peso ou dor na região abdominal ou ainda a presença de sangue na urina. Se diagnosticado em fase inicial, esse tipo de câncer supera a marca dos 90% de chance de sucesso no tratamento, mas a barreira do preconceito ainda precisa ser superada.

“Quando falamos em câncer masculino é natural que automaticamente as pessoas relacionem o termo à ocorrência de tumores de próstata, em especial graças a iniciativas globais de promoção à conscientização da população, reforçadas todos os anos por meio de campanhas como o Novembro Azul. Mas é importante ampliar as conversas sobre outros tipos de tumores que afetam exclusivamente o gênero masculino. O câncer de testículo atinge majoritariamente homens mais jovens e é altamente curável, principalmente se diagnosticado precocemente. Então, é fundamental que o homem busque um médico ao notar qualquer alteração nos testículos”, frisa Andrey.

Após exame clínico para verificação da presença de nódulos palpáveis ou alterações que sugiram câncer, um dos exames para confirmação diagnóstica é a ultrassonografia da bolsa escrotal, que identifica o tipo de lesão. Também são realizados exames laboratoriais para a identificação de marcadores tumorais específicos (alfafetoproteína, beta-HCG e LDH).

Confirmado o diagnóstico, é feita ainda uma tomografia computadorizada do tórax, abdômen e pelve para verificação do estadiamento da doença e a definição de conduta terapêutica, o que pode incluir a retirada de um ou dos dois testículos para controle do câncer. Além da cirurgia, quimioterapia e radioterapia podem ser recomendados, podendo ser utilizadas de forma isolada ou combinadas dependendo do caso.

Total 0 Votes
0

Tell us how can we improve this post?

+ = Verify Human or Spambot ?

Nenhum comentário on "Machismo e desinformação são barreiras para detecção do câncer de testículo"

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *