Livro resgata a trajetória política de Caio Prado Júnior

718 0

Aqueles que passam por nós não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós…                                                                                                                       Antoine de Saint-Exupéry.

timthumb.php* Hildebrando Pafundi – Uma velha anedota do folclore comunista reporta conversa que teria ocorrido entre o então primeiro-ministro da União Soviética, Nikita Kruschev, e o então primeiro-ministro da China, Chu En-Lai. Para fustigar o interlocutor, no momento em que as divergências sino-soviéticas haviam chegado ao ponto da ruptura, o russo referiu-se à origem social de cada um, lembrando que ele, Kruschev, era filho de camponeses, ao passo que Chu era filho de aristocratas. Famoso por sua habilidade diplomática e frases espirituosas, o chinês não se deu por vencido. E retrucou: “Ambos traímos nossas classes de origem”.

Se tal conversa realmente ocorreu nesses termos é difícil saber. Mas a curiosa ideia de uma traição à classe de origem certamente se aplicaria à trajetória de um importante intelectual e político brasileiro, o historiador Caio Prado Júnior. Filho de uma das mais ricas e tradicionais famílias da oligarquia agrário-industrial paulista, o futuro autor do clássico Formação do Brasil Contemporâneo aderiu muito cedo ao Partido Comunista e dele jamais se afastou – uma escolha que motivou sua prisão no período da ditadura civil-militar.

Essa trajetória militante, muitas vezes omitida nos estudos sobre Caio Prado Júnior, que ressaltam apenas sua fecunda atividade intelectual, foi reconstruída agora no livro Caio Prado Júnior: uma biografia política, de Luiz Bernardo Pericás. Resultado em parte de uma pesquisa de pós-doutorado apoiada pela FAPESP, o livro também contou com auxílio para publicação.

“O livro é fruto de uma pesquisa de seis anos, em arquivos públicos e privados. Recolhi depoimentos de mais de 70 pessoas e tive acesso a uma documentação vastíssima. Caio Prado Júnior era meu tio-bisavô e isso me ajudou a pesquisar nos arquivos de familiares, que fizeram a gentileza de abrir suas casas para que eu pudesse consultar documentos que não estão em nenhum outro lugar. Encontrei muito material inédito na casa de parentes meus: cartas, fotos, periódicos, documentos da polícia política etc.”, disse Pericás.

Mas a maior parte da documentação utilizada pelo pesquisador, que é professor de História Contemporânea da Universidade de São Paulo, foi consultada no Instituto de Estudos Avançados (IEB) da USP. “Maria Cecília Naclério Homem, que foi a última esposa de Caio, vendeu a biblioteca e os documentos dele para o IEB. Passei dois anos pesquisando somente nesse arquivo”, comentou.

Reconstruindo o caminho percorrido na preparação de seu livro, Pericás recordou as muitas contribuições que recebeu de amigos e parentes. Por exemplo, uma colega, que estava pesquisando sobre Jorge Amado em Moscou descobriu, nos arquivos da antiga União Soviética, material relativo a Caio Prado Júnior, e lhe enviou. Um primo, que estava arrumando a garagem de sua casa, encontrou sem querer uma pasta de documentos sobre a prisão de Caio Prado Júnior, com cartas do médico dele, petições do advogado, documentos da Anistia Internacional, recortes de jornal etc. “Era uma mina de ouro. Precisei atrasar a impressão do livro para poder incorporar esses dados”, enfatizou.

“Escrevi uma biografia eminentemente política. É claro que menciono a família. Danda, filha de Caio, era membro do Partido Comunista, bem como o seu marido, Paulo Alves Pinto, que, junto com o sogro e outros intelectuais, participou do comitê de redação da Revista Brasiliense. Então, eu não podia deixar de incluí-los. Também não podia deixar de fora Caio Graco, filho de Caio Prado Júnior, que assumiu a direção da Editora Brasiliense em meados dos anos 1970. Na medida em que esses parentes tiveram uma relação política ou profissional com Caio, eu os inclui. Mas evitei referências à vida íntima do biografado. Por mais que isso fosse importante, achei que desviaria o foco da intenção principal do livro, que era a de discutir sua trajetória política”, explicou o pesquisador.

Em 1947, como deputado estadual, Caio Prado Júnior foi membro da Assembleia Constituinte Paulista e teve um papel relevante na aprovação do artigo 123, que incorporou à Carta a proposta de atribuir à pesquisa um percentual não inferior a 0,5% da receita ordinária do Estado e estabeleceu que o amparo à pesquisa se faria por meio de uma fundação. Assim, foram lançadas as bases para a criação da FAPESP, em 1962.

Conforme o levantamento minucioso feito por Pericás, a militância comunista levou Caio várias vezes à prisão: em 1935, depois da malograda tentativa insurrecional da Aliança Nacional Libertadora (ANL); em 1948, após a cassação do registro legal do PCB e de seu mandato como deputado estadual; em 1964, logo depois do golpe civil-militar, quando, juntamente com seu filho Caio Graco, foi acusado de publicar livros subversivos; em 1970, quando, depois de alguns meses de exílio no Chile, foi condenado a quatro anos e meio de prisão – pena depois reduzida. Na prisão, concluiu, em 1971, a redação dos textos “O estruturalismo de Lévi-Strauss” e “O marxismo de Louis Althusser”.

“Se pudéssemos condensar um dos aspectos centrais da produção intelectual de Caio, poderíamos dizer que ele investigou o desenvolvimento desigual e combinado do Brasil e mostrou que esse desenvolvimento se inseriu, desde seus primórdios, na lógica do mercado internacional e, depois, do imperialismo. Ou seja, que os desígnios externos, vinculados a elementos de poder econômico e político internos, geraram uma dinâmica que, a despeito das várias mudanças, manteve inalterados traços básicos das relações sociais”, resumiu o pesquisador.

“Essa visão da realidade brasileira o levou a criticar a concentração de terras nas mãos dos latifundiários e a livre iniciativa privada, a rejeitar todo tipo de autoritarismo e a defender o aprofundamento de reformas democratizantes, a questionar a existência de uma burguesia nacional anti-imperialista e recusar a política ‘reboquista’ do PCB em relação às lideranças burguesas reformistas. Principalmente, motivou seu engajamento no sentido de integrar as classes com menor nível econômico e educacional no processo de construção da nação”, prosseguiu.

Após a saída da prisão, em 1971, a produção intelectual de Caio Prado Júnior se reduziu e sua militância política praticamente se encerrou. “Depois de lançar O estruturalismo de Lévi-Strauss / O marxismo de Louis Althusser em livro e sua tese História e desenvolvimento, ele se limitou a revisar livros anteriores.

Republicou A Revolução Brasileira (1966) com o acréscimo de um posfácio em 1977. E reuniu e editou textos antigos, como aqueles que vieram a integrar o livro A Questão Agrária no Brasil, de 1979, assim como fragmentos de obras já editadas, que resultariam em pequenos trabalhos lançados em coleções de bolso, como a ‘Primeiros Passos’. Sua última ação política, já com a saúde abalada, foi uma discreta participação no início da campanha Diretas Já”, concluiu o pesquisador.

Ficha Técnica
Obra: Caio Prado Júnior: uma biografia política
Autor: Luiz Bernardo Pericás
Editora: Boitempo
Ano: 2016
Páginas: 504
Preço: R$ 63,00
Mais informações: www.boitempoeditorial.com.br/v3/Titulos/visualizar/caio-prado-junior-uma-biografia-politica

  • Obras de Picasso no Instituto Tomie Ohtake – Foi inaugurada com obras de Pablo Picasso, sendo muitas de seu acervo particular e inéditas no Brasil, que atualmente pertencem ao Museu Nacional Picasso, em Paris, grande exposição no Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo e pode ser visitada até de 14 de Agosto. Depois do Instituto, a exposição segue para o Paço Imperial, no Rio de Janeiro, que será inaugurada em Setembro. O artista plástico espanhol Pablo Picasso, que nasceu em 1881 e faleceu em 1973, mesmo sendo mais conhecido como cubista, tinha seu próprio estilo com diferentes técnicas e fez os primeiros desenhos quando estava com apenas 14 anos. Para essa exposição, com curadoria de Emilia Philippot, foram selecionadas 153 peças com a trajetória cronológica e temática do artista e suas principais fases, sendo 116 de sua autoria: 20 esculturas, 20 gravuras, 34 pinturas e 42 desenhos. Há também 22 fotogramas de André Villers, produzidos em parceria com Pablo Picasso. As outras são 12 fotografias feitas por Dora Maar, e três pelo fotógrafo Pierre Manciet, além de filmes sobre as obras de Picasso, seu processo de trabalho e criação. A exposição, denominada “Picasso: Mão Erudita, Olho Selvagem” foi dividida em 10 seções: Formação e influência, Picasso o exorcista (processo e geometrização de formas), o cubista, o clássico (a maternidade, o teatro e a dança), o surrealista, o processo de criação de Guernica (estudo da obra, fotos e o foco), o resistente, o múltiplo (da cerâmica ao fotograma), ele trabalhando e sua última fase, que mostra o erotismo em todos os seus estados. Visitas até dia 14 de Agosto de 2016, de terça-feira a domingo das 11h às 20 horas. As entradas custam R$ 12,00, meia, R$ 6,00, mas nas terças-feiras, as visitas são grátis e crianças até 10 anos não pagam em nenhum dos dias. Os ingressos estão à venda pelo site www.institutotomieohtake.org.br ou na bilheteria do Instituto de terça-feira a domingo das 10h às 19 horas. Endereço: Avenida Faria Lima, 201, com entrada pela Rua Coropés, 88 – São Paulo – Capital, SP.
  • Bienal Internacional do Livro de São Paulo – Já tiveram inicio os preparativos para a 24ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo, que será realizada entre os dias 26 de Agosto e 4 de Setembro, no Pavilhão de Exposições do Parque Anhembi, na Avenida Olavo Fontoura, 1209, na Capital. O evento reunirá escritores brasileiros e de outras nacionalidades, editoras nacionais e internacionais, com lançamentos de livros, tardes de autógrafos, palestras e debates. Os ingressos, que custam entre R$ 20,00 a R$ 25,00 já estão à venda pelo site www.bienaldolivrosp.com.br que na compra de três ingressos ou mais terá descontos. Já participei de algumas Bienais do Livro de São Paulo, a partir de 2004, geralmente no espaço para associados da União Brasileira de Escritores (UBE), quando aproveitava para fazer lançamentos de livros de minha autoria, fazer trocas, conversar e entrevistar alguns escritores, como o cronista e romancista Ignácio de Loyola Brandão, e o também autor de novelas para televisão e romancista, Walcir Carrasco, entre outros. A deste ano talvez não participe, porque não tenho nenhum livro recente para ser lançado, mas talvez faça uma ou duas visitas para adquirir alguns livros, o que também recomendo aos amigos, amigas e leitores. Até a próxima!
pafundi * Hildebrando Pafundi é escritor, jornalista, contista e cronista. Membro da Academia de Letras da Grande São Paulo, da União Brasileira de Escritores (UBE-SP) e outras entidades. Tem quatro livros publicados. Contatos pelo e-mail hpafundi@ig.com.br
Total 1 Votes
0

Tell us how can we improve this post?

+ = Verify Human or Spambot ?

Nenhum comentário on "Livro resgata a trajetória política de Caio Prado Júnior"

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *