Faculdades de Medicina utilizam simulador 3D para substituir cadáveres em aulas de anatomia

785 0

Da Redação – As faculdades de medicina entraram de vez na era digital. Dos 250 cursos de formação médica no Brasil, 20 instituições de ensino utilizam um simulador 3D que substitui o uso de cadáveres em aulas de anatomia e em estudos clínicos, hospitalares e laboratorial.

Trata-se da Plataforma Multidisciplinar 3D desenvolvida pela startup brasileira Csanmek, que funciona como uma mesa que exibe modelos tridimensionais altamente detalhados e anatomicamente corretos de todos os sistemas do corpo humano, incluindo sistema de conexão com lousas digitais e retroprojetores.

O simulador possui ainda uma ferramenta de integração entre hospitais e salas de aula e oferece aos alunos a possibilidade de estudar casos clínicos e exames reais de pacientes. Entre as instituições que possuem a tecnologia estão a Universidade de de São Caetano do Sul (USCS), a São Leopoldo Mandic, uma das principais faculdades de medicina do Brasil, a Faculdade Guanambi, na Bahia, e a Faculdade Claretiano, entre outras.

O sistema agrega, em um único equipamento, ferramentas educacionais de diversas disciplinas e atende uma gama de matérias, sendo uma alternativa completa para o uso em educação nas diversas áreas da saúde. A plataforma conta ainda com ferramenta que possibilita procurar e localizar estruturas anatômicas pelo nome, além de contar com modelos dinâmicos das estruturas musculares e módulos para operar em aulas de fisiologia e histologia. Possui ainda conexão com microscópio digital e projeção “touch”.

Além dos cursos de medicina, a tecnologia também pode utilizada em aulas de veterinária, engenharia, cursos técnicos na área da saúde e educação básica.

Inspirado em tecnologias e metodologias europeias e americanas, o produto nacional permite que os professores convertam tomografias e ressonâncias magnéticas em 3D, com acesso total e irrestrito a anatomia real. Também utiliza algumas linhas de atlas anatômicos e fisiológicos, com mais de 5 mil estruturas anatômicas identificas, incluindo todos os órgãos e sistemas do corpo masculino e feminino, e pode ser usada em cursos de medicina, veterinária e demais áreas da saúde.

Segundo o fundador da Csanmek, Claudio Santana, a solução foi desenvolvida por uma equipe amplamente qualificada, com décadas de experiência em diagnósticos e imagens médicas. “Apesar de ser um equipamento para educação, a plataforma 3D também é utilizada por médicos e profissionais da saúde no dia a dia, para melhorar o aprendizado e compreensão das estruturas anatômicas reais e modeladas”, comenta Santana.

A CSANMEK é uma empresa brasileira que surgiu com a missão de ser referência em novas tecnologias de simulação, para auxiliar as técnicas educacionais no uso das metodologias ativas. Desenvolve ferramentas e projetos educacionais para suporte aos docentes e discentes, visando melhor qualificação para futuros profissionais das diversas áreas da saúde. Com dois anos no mercado, a empresa atua no desenvolvimento de soluções para atender as necessidades das instituições de ensino, trazendo sempre o que há de melhor no mercado mundial.

Total 2 Votes
0

Tell us how can we improve this post?

+ = Verify Human or Spambot ?

Nenhum comentário on "Faculdades de Medicina utilizam simulador 3D para substituir cadáveres em aulas de anatomia"

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *