Especialista explica como o cérebro ajuda a manter a velhice saudável

914 0

Da Redação – Um dos grandes desafios da ciência é a garantia de saúde com a chegada da idade. Muito se tem falado dos “segredos” – nem tão secretos assim e muito difundidos na mídia. Tudo sempre incide no termo anti – idade: terapia, medicina, cosmética, atividade física e gastronomia são apenas algumas das novas vertentes da busca pelo retardamento dos efeitos da velhice. Afinal, quem não quer chegar à terceira idade livre dos males que acompanham esta fase da vida?

Entretanto, não existe uma fórmula que garanta o resultado padronizado para uma senilidade saudável. O que existe são algumas medidas que podem ajudar na busca por qualidade de vida. Dizem os médicos que os cuidados têm de começar cedo. “Medidas preventivas deveriam ser adotadas o quanto antes, por isso se faz necessário programas e campanhas que estimulem os indivíduos a priorizarem tais cuidados com a saúde e a se conscientizarem da importância de ter qualidade de vida”, comenta Simone Matias, psicóloga da Rede StarClub.

Ainda não se sabe exatamente o peso da genética na longevidade, mas ela influi. Por isso, é bom saber o histórico de seus avós, bisavós e tataravós. Estas informações ajudam a explicar porque, por exemplo, algumas pessoas dispõem de mais saúde do que outras, independente de seus hábitos.

Os benefícios da prática de atividade física também são bastante conhecidos. Este é o fator de envelhecimento saudável número um, já que para a genética é preciso contar com a sorte. “Além de fazer bem para a saúde, ajuda não somente manter a força física, mas também a emocional”, afirma a psicóloga do StarClub.

Melhor idade, a segunda adolescência – O nível de atividade mental contribui muito para processo de envelhecimento saudável. De acordo com o ultimo censo do IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, em  2010, a expectativa de vida do brasileiro é de aproximadamente 75 anos. Portanto, a indicação é de que ao chegar aos 60, as pessoas continuem a exercitar o cérebro, pois as funções cognitivas também diminuem com o tempo.

“Assim como acontece com o corpo, elas podem ser mantidas e reabilitadas por meio da ginástica cerebral. Por isso funções como memória e raciocínio lógico podem ser estimuladas em qualquer idade, com acompanhamento profissional adequado”, analisa a psicóloga da Rede StarClub, Simone Matias.

Para a especialista, evitar doenças como Alzheimer e Parkinson requer práticas regulares como leitura, música e até jogos de palavras cruzadas. De acordo com a doutora, deve-se exercitar todas as funções cognitivas. É importante manter a mente ativa, com desafios que tirem o cérebro da zona de conforto. Porém não é apenas isso que leva a uma velhice saudável.

“Além de exercitar o cérebro, é preciso se manter ativo socialmente, se sentir útil. Vale à pena cuidar dos netos, se tornar voluntário, criar, produzir algo novo e principalmente viver a chamada segunda adolescência”, finaliza Simone.

A Rede StarClub conta com um polo de atividades que estimulam o corpo e a mente de seus associados. Conheça estes e outros benefícios que nossos afiliados têm a disposição acessando o redebemestar.com ou entre em contato através dos telefones (11) 3159-3918 / 3917.

Total 0 Votes
0

Tell us how can we improve this post?

+ = Verify Human or Spambot ?

Nenhum comentário on "Especialista explica como o cérebro ajuda a manter a velhice saudável"

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *