D.Pedro: “Construir a fraternidade para uma sociedade mais justa”

128 0

Da Redação – O bispo da Diocese de Santo André, Dom Pedro Carlos Cipollini, celebrou neste domingo (25) a Missa em Ação de Graças pelos 72 anos de autonomia da cidade de São Caetano do Sul. A celebração concelebrada pelo pároco local Pe. Paulo Borges aconteceu na Igreja Matriz – Paróquia Sagrada Família (Praça Cardeal Arcoverde, 100 – Centro, SCS) e encerrou a Semana do Autonomia (ocorrida de forma virtual), que recordou a tradição do Movimento Autonomista que uniu a população em 1948 e conquistou no voto, a criação do município que até então era apenas um subdistrito de Santo André.

A exemplo das demais celebrações que ocorrem desde junho deste ano em todos as sete cidades do território diocesano, a missa foi realizada mediante as normas de distanciamento social, uso de máscaras, utilização de álcool gel e limite até 30% da capacidade da igreja.

“O movimento autonomista de 1948 foi o marco histórico que culminou com a liberdade do então segundo subdistrito de São Caetano do município de Santo André. Foi a partir deste marco que São Caetano do Sul ganhou força para chegar hoje entre àqueles municípios considerados de primeiro mundo. Uma cidade assim bem sucedida, não pode esquecer de Deus. E não se esquecer Dele é viver o seu mandamento maior que hoje Jesus nos ensina no Evangelho”, disse Dom Pedro, durante a homilia.

O bispo recordou que as leituras deste 30º Domingo do Tempo Comum (Evangelho (Mt 22,34-40); Primeira Leitura (Êx 22,20-26) e Segunda Leitura (1Ts 1,5c-10)) nos propõe darmos testemunhos de nossa fé, primeiro através da solidariedade, da vivência pacífica em meio a tribulações.

“Nossa fé se manifesta no amor a Deus vivido em relação ao próximo, que se estende para além das fronteiras, e está na base daquilo que chamamos ‘amizade social’ em cada cidade, em cada país”, indica Dom Pedro, ao citar trecho da encíclica “Fratelli Tutti” (n. 99), lançada recentemente pelo Papa Francisco.

“O cristão deverá trilhar este caminho de amor fraterno universal. É impossível separar o amor ao próximo do amor a Deus. O certo é que “o individualismo não nos torna mais livres, mais iguais, mais irmãos” (Papa Francisco in Fratelli Tutti n.105). “Enfim, no entardecer de nossa vida, seremos julgados pelo amor” (S. João da Cruz).

Por fim, Dom Pedro complementa: “Se essa cidade quis a independência para ser um município autônomo, ela deve lembrar-se disso. Vale a pena se realmente ao lado do progresso adquirido, se construir pessoas mais fraternas, porque se amam, e mais justiça, porque existe amor”, elucida.

Antes do encerramento da celebração, o presidente do GAMA (Grupo de Amigos do Movimento Autonomista) João Tarcísio Mariani, saudou Desiree Malateaux Netto, e através dele, os dois autonomistas vivos que não puderam comparecer nesta data, Mário Porfírio Rodrigues e Ettore Dal’Mas. Membros da diretoria estiveram presentes como o vice-presidente, Wagner Antonio Natale; o secretário executivo Humberto Domingos Pastore; Milka Musulin Soeltl, Morisa Garbelotto, Márcia Gallo, Charly Farid Cury e José Luiz Cabrino.

Também participaram da missa, o prefeito de São Caetano, José Auricchio Jr, a primeira-dama Denise Auricchio, e o deputado estadual Thiago Auricchio.

Total 1 Votes
0

Tell us how can we improve this post?

+ = Verify Human or Spambot ?

Nenhum comentário on "D.Pedro: “Construir a fraternidade para uma sociedade mais justa”"

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *