Covid-19: A utopia de uma mudança

43 0

* Joana Freitas – Tendo decorrido cerca de sete de meses desde o início da pandemia, eu escrevia que as ilusões sobre possíveis aprendizagens se iam desvanecendo. Esta pandemia que começou por ser entendida como um ponto de ruptura, como algo que anunciava um novo normal, uma paragem forçada que nos daria refletir; rapidamente se perdeu pelas expectativas.

Trilhavam-se os primeiros desafios epidêmicos, e talvez por ingenuidade ou por alguma réstia de esperança pensou que o mundo ia finalmente mudar de paradigma. Se pouco acreditava nisso no final do ano, neste momento não tem qualquer dúvida: não mudou, não quer sequer mudar e o que mudou foi para pior.

O esquecimento dos ensinamentos passados parece ser recorrente no percurso da humanidade. A nossa sociedade, ainda mais depressa do que o normal, revelou que a sua capacidade de “esquecer” se processa de forma muito veloz. A vontade de voltar à velha rotina rapidamente matou a esperança do nascimento de uma nova consciência coletiva.

Arranjamos todos os meios para nos adaptarmos e dessa forma possamos retomar os velhos hábitos. Vivemos num mundo doente mas que parece querer continuar nele. Vivemos a pandemia da covid-19 e outras em simultâneo, principalmente de egoísmo e ignorância.

Um ano depois do início da covid-19, Joana Freitas refere que tem a noção absoluta que falhamos mais uma vez. Ao mundo e a nós próprios. Falhamos com a mudança necessária, falhamos com a aprendizagem. Apenas não falhamos com o egoísmo e com o esquecimento. Mais uma vez.

* Joana Freitas é arqueóloga

Total 0 Votes
0

Tell us how can we improve this post?

+ = Verify Human or Spambot ?

Nenhum comentário on "Covid-19: A utopia de uma mudança"

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *