Com Barrichello, Hero Motosport fecha ano com vitória dramática nas 500 Milhas de Kart

913 0

Da Redação – O calor foi impiedoso durante as 12 horas de duração das 500 Milhas de Kart, prova de gala do kartismo brasileiro que fechou a temporada 2017 reunindo os melhores pilotos do país e vários nomes internacionais.

Com temperatura superando os 30 graus e os pilotos visivelmente desgastados após uma maratona em alta velocidade de aproximadamente 800 quilômetros – equivalente a duas vezes a distância entre as cidades de São Paulo e Rio de Janeiro –, a equipe Hero Motorsport cruzou a linha de chegada em primeiro com o kart pilotado naquele momento por Rubens Barrichello. Outros oito pilotos compuseram o time. A prova deste sábado teve largada às 12h30 e se encerrou depois da meia-noite, com mais de 50 karts tentando a vitória.

“Foi muito legal vencer essa corrida tendo meu filho na equipe, uma coisa única na vida certamente”, disse Rubens Barrichello, bastante emocionado. “Essa foi uma prova decidida na estratégia. Nós chegamos a achar que estávamos muito bem na prova, mas quando percebemos estávamos em terceiro e uma volta atrás. Mas o kart estava muito rápido e nós trabalhamos bem também. Estávamos recuperando o terreno, mas possivelmente não levaríamos essa vitória não fosse o caos que aconteceu no final”, completou Barrichello, que conquistou sua décima vitória, tornando-se agora o único piloto a subir tantas vezes no topo do pódio das 500 Milhas.

Briga e desclassificação – As voltas finais da prova tiveram momentos dramáticos da mais legítima competição, mas também contaram com um toque do imprevisível oferecido pela briga – aos socos – dos pilotos Tuka Rocha e Rodrigo Dantas. Em uma disputa de posição, já nas voltas finais, os dois se tocaram, foram parar na barreira de pneus e iniciaram uma discussão que degenerou em agressão física.

Como as equipes dos dois pilotos já vinham se estranhando dentro e fora do traçado, causando inclusive batidas, a direção de prova aplicou a punição máxima prevista pelo regulamento, o que acabou resultando na desclassificação dos dois times – Sambaíba Centerbus e MDG Matrix. Esta última era também defendida pelo então líder da prova, Felipe Massa, que foi obrigado a abandonar a competição, deixando o primeiro lugar com Barrichello.

“Eu fiz questão de todos os pilotos subirem ao pódio por que essa molecada merece”, lembrou Rubinho, chamando a atenção para o fato de sua equipe ser formada por pilotos experientes, como ele, e outros bem jovens, como o pernambucano Kiko Porto, de 13 anos. “Eles são uma lição de como se comportar em certas situações. Às vezes você acaba lutando por uma posição na primeira hora e não vale a pena. Então, chegar ao final com o kart “vivo” mostrou que fizemos tudo certo. Agradeço a todos que estiveram conosco, aos mecânicos, à equipe, à Granja Vianna. E certamente no ano que vem estaremos aí”, prometeu o campeão de 2017.

A equipe Hero Motorsport contou com três karts, que foram pilotados por Barrichello, Gary Chapman (kartista norte-americano), Rafa Martins (jovem piloto brasileiro de Turismo), os kartistas Kiko Porto, Dudu Barrichello, Arthur “Tuio” Leist e João Cunha, e os pilotos de Stock Car Diego Nunes, Rafael Suzuki e Betinho Valério. Os pilotos se revezaram na pilotagem dos karts em turnos de aproximadamente uma hora. “Nós lideramos grane parte da corrida com o kart 71, não tivemos nenhum problema, não aconteceu nenhum erro dos pilotos”, resumiu Rafael Suzuki. “Então eu estou certo que fizemos muito bem a nossa parte. E temos que lembrar que ganhamos de mais de 50 karts concorrentes de alto nível. O Rubens, que foi o líder do time, leva isso aqui muito a sério, a equipe é muito unida e acho que o time mereceu ganhar”, completou

Liderança – Diego Nunes, no entanto, admitiu que a vitória ameaçou escapar. “Nós fomos rápidos o tempo todo e lideramos a maior parte da corrida. Mas erramos na estratégia e quase perdemos a primeira colocação”, contou o piloto da Hero Motorsport na Stock Car. “Em termos de problema técnico só tivemos uma ocorrência pequena, uma corrente que saiu do lugar. Por isso tivemos que antecipar uma parada no meio da corrida, mas isso acabou não influenciando o nosso desempenho”, ponderou.

Dudu Barrichello obteve sua primeira vitória na difícil 500 Milhas de Kart. Sempre de macacão e a postos, foi um dos membros mais animados da Hero Motorsport e acompanhou com interesse tudo o que se passou no box do time, especialmente os momentos das trocas de pilotos. “Fiquei muito feliz pela vitória e por ter subido lá no pódio em primeiro com o meu pai”, disse ele. “Foi bem bacana acompanhar o que aconteceu na prova. Aprendi bastante nessa corrida”, finalizou o jovem Barrichello, de 15 anos.

Confira o top-10 da prova após as 700 voltas da corrida:
1- 71 Barrichello Hero
2- 033 Autotrac Jaguar Racing II + 2 voltas
3- 319 Car Racing America Net + 4 voltas
4- 002 Shell Racing + 5 voltas
5- 011 CPKA + 6 voltas (melhor equipe da Thunder Light)
6- 013 Spirit Sports + 7 voltas
7- 134 Medina Motorsport + 8 voltas
8- 022 TR3 Motorsport + 8 voltas
9- 001 Shell Fittipaldi + 9 voltas
10- 018 Ygor Racing + 9 voltas

Total 0 Votes
0

Tell us how can we improve this post?

+ = Verify Human or Spambot ?

Nenhum comentário on "Com Barrichello, Hero Motosport fecha ano com vitória dramática nas 500 Milhas de Kart"

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *