Carta Aberta ao tricampeão Fábio Carille

783 1



* Márcio Trevisan – “Olá, professor. Faço questão de iniciar esta carta parabenizando-o pela conquista do tricampeonato paulista neste domingo. A vitória sobre o São Paulo por 2 a 1 foi inconteste e, pelo menos desta vez, obtida sem ajuda externa, como vimos na decisão de 2018 (mas deixa essa história pra lá, porque hoje todo mundo sabe o que aconteceu e nem vale mais a pena tomar seu tempo relembrando mais uma vergonhosa página da história do nosso futebol).

O senhor, tenho certeza, sabe que muitos são-paulinos, palmeirenses e santistas estão, agora, proferindo aos quatro cantos que a conquista corintiana não foi justa por “n” razões, e a principal delas é que seu time parece jogar handebol, e não futebol, já que quase sempre está inteiro atrás da linha da bola.

Mas, ora bolas: onde está escrito que os resultados do esporte mais apaixonante do planeta têm de ser justos? Afinal, como diria o inesquecível locutor Ênnio Rodrigues, “o que vale é bola na rede” – muito embora sua equipe tenha marcado no torneio apenas 16 gols em 18 jogos (ou menos de um por partida…).

Professor, o senhor tem motivos de sobra para estar feliz. Afinal, não é toda hora que se ganha um Paulistão três vezes seguidas. E não dê ouvidos a quem quiser desmerecer este seu feito apenas pelo fato de seu retrancado esquema tático ser uma afronta à história do time do povo.

E se ouvir por aí que gente como Neco, Roberto Belangero, Cáudio Pinho, Teleco, Baltazar, Luizinho (o “Pequeno Polegar”), Zé Maria, Wladimir, Sócrates, Marcelinho Carioca, Ronaldo Giovanelli, Neto, Casagrande, Gamarra, Viola, Tevez ou Ronaldo Fenômeno, apenas para citarmos alguns, neste momento tentam disfarçar com sorrisos, neste ou no outro Plano, a vergonha de verem o, como chamei desde a semana assada, TRImão erguendo a taça com um futebol paupérrimo, dê de ombros – mas, por via das dúvidas, também não tente confirmar tal situação, ok?

Gostaria, também, se me permitisse, de lhe dar uma dica. Ela vem de alguém que há mais de 45 anos como torcedor e há mais de 30 anos como jornalista acompanha o futebol (caso não conheça o termo, explico: futebol é o esporte que o Corinthians jogou sempre quando não o teve no comando): desça do salto.

Sei que o sucesso, venha ele como vier, muitas vezes sobe à cabeça e faz com que alguns que o obtêm acreditem piamente ser maiores ou melhores do que de fato são. No seu caso, após ver algumas de suas declarações desde seu retorno à Itaquera, tenho certeza de que lá no fundo, mas bem no fundo mesmo, o professor se sente melhor e maior do que Oswaldo Brandão, do que Telê Santana, do que Wanderley Luxemburgo, do que Zagallo e, talvez, até mesmo do que Jorge Sampaoli.

Mas o amigo não é, e sabe por quê? Porque mesmo tendo estes seus defeitos como treinadores, nenhum deles teve a coragem de montar em qualquer equipe que dirigiu ou dirige um esquema tático tão ofensivamente fechado.

Finalizando (até porque sei que o professor tem muito mais coisas importantes a fazer do que ler esta carta), fica aqui um pedido: daqui pra frente, tente ser campeão sem cuspir na camisa alvinegra, sem desrespeitar a história corintiana e, já pedindo desculpas pela palavra, sem evacuar sobre as incontáveis glórias obtidas por este clube que é amado por mais de 30 milhões de brasileiros. Para tanto, não é preciso muito.

Basta ganhar títulos jogando futebol”. 

Curtinhas

É hora de comemorar – Como se esperava, o Flamengo/RJ garantiu a conquista do Campeonato Carioca vencendo o Vasco da Gama/RJ, de novo por 2 a 0. A diferença técnica entre o rubro-negro e todos os demais times do Rio de Janeiro é tão gigantesca que o campeão deste ano não poderia, mesmo, ser outro. E o bom Alberto Valentim, que conseguiu o milagre de levar a equipe de São Januário às finais, acabou sendo responsabilizado pela diretoria e demitido logo após a partida. Como se com o elenco que possui o Gigante da Colina algum técnico do mundo conseguisse algo melhor…

É hora de aceitar – No meio de semana passado, o Inter/RS esbravejou contra a arbitragem por ter perdido o título gaúcho nos pênaltis para o eterno rival, o Grêmio/RS. Mas sem razão: além de jogar melhor, a equipe de Renato Gaúcho faturou a taça de forma limpa, sem que os caras do apito ou do tal do VAR interferissem no resultado final.

É hora de se preparar – A Inter de Limeira está de volta à elite do futebol paulista, a qual disputou pela última vez em 2005. No sábado, a equipe venceu nos pênaltis o XV de Piracicaba, levou sua fanática torcida às lágrimas e garantiu sua presença na Série A-1 do Paulistão de 2020 ao lado do Santo André, que perdeu para o Água Santa no domingo pela manhã por 3 a 2 mas, como havia vencido o primeiro jogo por 2 a 0, levou a vaga no saldo de gols. Agora, ambas as equipes lutarão pelo título da Série A-2 nos dois próximos fins de semana. Detalhe importante: como o Red Bull Brasil se fundiu ao Bragantino, é bem provável que o Água Santa, terceiro colocado na classificação geral, herde a vaga do time-empresa e também ascenda no ano que vem.

É hora de jogar. Ou rezar. – Após empatar com o Cruzeiro/MG e perder o título estadual no último sábado, o Atlético/MG terá de ganhar de qualquer jeito do Nacional/URU, nesta terça, no Mineirão. Qualquer outro resultado diferente eliminará a equipe ainda na Primeira Fase da Copa Libertadores da América. Outro que também corre riscos é o Grêmio/RS que, caso não vença o Libertad/PAR na mesma noite, em Assunción/PAR, terá de rezar para que o Universidad Catolica/CHI no máximo empate com o Rosário Central/ARG fora de casa, na quarta.



* Márcio Trevisan é jornalista esportivo há 30 anos. Começou no extinto jornal A Gazeta Esportiva, onde esteve por 12 anos. Passou, também, pelas assessorias de Imprensa da SE Palmeiras e do SAFESP, além de outros órgãos. Há 13 anos iniciou suas atividades como Apresentador, Mestre de Cerimônias e Celebrante, tendo mais de 450 eventos em seu currículo. Hoje, mantém os sites www.marciotrevisan.com.br e www.senhorpalmeiras.com.br. Contato com o colunista pelo e-mail apresentador@marciotrevisan.com.br.



Total 3 Votes
0

Tell us how can we improve this post?

+ = Verify Human or Spambot ?

1 comentário on "Carta Aberta ao tricampeão Fábio Carille"

  1. Antônio Manara

    Parabéns Márcio, pelo excelente texto relatando a mais verdadeira opinião sobre esse técnico que se julga o melhor entre todos. Assistindo o jogo entre Manchester City x Tottenham e no Domingo ver dois dos maiores times Brasileiro, apresentarem um horror de espetáculo, junto com um inglês. Sinceramente, fiquei envergonhado, que resolvi mudar de canal e assistir o Campeonato Mundial de snooker.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *