Canalização do Córrego Capuava acaba com angústia de moradores do Demarchi

592 0

Da Redação – O medo de ver ruas e casas invadidas pela água nos temporais não faz mais parte da rotina dos moradores do Bairro Demarchi. Desde o fim de 2013, o local não é mais atingido pelas cheias em razão das obras de canalização do córrego Capuava e do Ribeirão dos Meninos, que estão 97% prontas, e integram o Drenar, programa de combate às enchentes da Prefeitura de São Bernardo.

As intervenções foram iniciadas em julho de 2012 e resta apenas a conclusão da travessia sob a Rua José D’Ângelo – é preciso o remanejamento de tubulações e cabos das concessionárias Sabesp, Telefônica, Congás e Eletropaulo – e a recuperação do viário na Rua Shultz Wenk, que, a exemplo da Rua João Gerbelli, era uma das mais atingidas pelos alagamentos.

Com a canalização do córrego e o fim das enchentes, foram os roedores que tiveram de mudar de endereço, contam os moradores. “Dava até medo de sair na rua, principalmente no fim da tarde ou à noite por causa da quantidade de ratos”, disse a dona de casa Sandra Pfeifer, 60 anos.

A residência da aposentada, situada na esquina da João Gerbelli com a Shultz Wenk, foi uma das mais atingidas pela pior enchente do bairro, em 2006. Naquela ocasião, um vizinho dela faleceu, vítima do alagamento. “Graças a essas obras, desde 2013 não tivemos mais problemas. Sempre que chovia forte era um desespero. Na enchente de 2006 perdi todos os móveis da sala e da cozinha. Meu filho perdeu o carro, que estava na garagem. A água subiu quase dois metros. Agora estamos mais tranquilos”, disse Sandra.

O aposentado Paulo Roberto Azevedo, morador da Rua das Laranjeiras, no Bairro Terra Nova 1, volta no tempo para relembrar a batalha dos moradores para a canalização do Capuava e Ribeirão dos Meninos. “Desde a década de 1980 reivindicávamos essa obra. Entrou e saiu prefeito e nada foi feito. Só em 2009, quando o Marinho (prefeito Luiz Marinho) assumiu a prefeitura é que começou a mudança. Ele veio aqui e falou que nós teríamos o córrego canalizado. Não só acabou a enchente como valorizou os imóveis”, avalia.

Ao todo foram canalizados 1.790 metros de várzea, do início do Córrego Capuava, na Rua José D’ângelo até o encontro do Ribeirão dos Meninos com o piscinão da Volkswagen. Em alguns trechos o canal é aberto e, em outros, fechado, e mede, na parte mais estreita, 4,20 m de largura e, na mais larga, 8,50 m. São 3 m de profundidade.

Drenar – Em todo o município estão sendo investidos mais de R$ 600 milhões para combater os alagamentos. O piscinão do Paço Municipal, o maior de todo o complexo de obras, terá capacidade para armazenar 190 milhões de litros de água.

Com a intervenção e a construção de galerias na Avenida Aldino Pinotti e na Rua Jurubatuba, as enchentes, que por décadas afetaram a vida dos moradores e comerciantes do Centro, serão coisa do passado.

No Rudge Ramos, segunda maior obra do Drenar, as intervenções seguem ritmo normal e já foram entregues os reservatórios Ipiranga, Vivaldi e Helena, mais de 20 mil metros de canais e galerias de drenagem, proporcionando aos moradores alívio das tensões provocadas pelas chuvas, que resultavam em inundações.

Ainda no Rudge Ramos, a construção do reservatório Jacquey está em andamento e tem previsão de entrar em operação para testes a partir do mês de março. O mesmo ocorre com o Tanque das Mulatas (que tem capacidade para armazenar 20 milhões de litros de água) e a galeria na Rua Warner, que reforça o sistema de drenagem do Jardim Hollywood e conduz as águas da chuva ao Córrego Ipiranga, no trecho aberto cuja obra de retificação foi concluída em dezembro de 2015.

As obas de canalização do córrego Pindorama, no Jordanópolis, também estão em andamento, com previsão de término para o primeiro semestre deste ano. As do Nova Petrópolis e Paulicéia também prosseguem e vão contribuir para os objetivos do programa, a exemplo de outras já entregues ou recentemente finalizadas e em testes, como a drenagem das ruas João Firmino, no Bairro Assunção, MMDC, no Paulicéia, elevatória Rio Claro, no Rudge Ramos, córregos Silvina e Chrysler, no Jardim Silvina, córrego Alvarenga, no  bairro de mesmo nome, e os córregos Colina e Mininha, no Baeta Neves.

Disk Drenar – Os moradores têm vários canais para tirar dúvidas sobre o Programa Drenar: pelo telefone 4341-8613, pelo e-mail drenar@saobernardo.sp.gov.br ou pelo Facebook “programa.drenar”.

Total 0 Votes
0

Tell us how can we improve this post?

+ = Verify Human or Spambot ?

Nenhum comentário on "Canalização do Córrego Capuava acaba com angústia de moradores do Demarchi"

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *